Menu

Pedro Bial começa a se assumir como ateu, afirma jornalista

Ao comentar sobre os apresentadores de talk shows Pedro Bial, Fábio Porchat e Danilo Gentili, o jornalista Luciano Guaraldo os considerou como ateus ou como “descrentes de meia tigela” por não assumirem em público que não acreditam em Deus. Na verdade, dos três, o comediante Porchat é o único ateu assumido, e a religião tem sido um tema recorrente em suas piadas e roteiros. Guaraldo escreveu que o ateísmo do apresentador da TV Globo “veio à tona” no “Conversa com Bial” apresentado na noite de 9 de maio de 2017, quando os entrevistados foram um humorista e dois cantores, todos evangélicos. “Ao fim do papo, Bial convidou o professor Ricardo Mariano para expor sua opinião sobre o crescimento do universo gospel. ‘Um ateu na conversa... Mais um ateu’, soltou o jornalista, em referência sutil ao fato de também não seguir uma religião”, escreveu o jornalista. Guaraldo disse que a revelação, embora sutil, “pegou os fãs de Bial de surpresa”, embora essa não tenha sido a primeira vez em que o jornalista da Globo tenha feito referência ao seu ateísmo. Guaraldo lembrou que em 2011, ao conceder uma entrevista a Marília Gabriela, na GNT, Bial disse: “Tudo o que estudei até hoje me comprova que Deus não existe”. Não era assim que Bial pensava anos antes, em 2002, quando um assaltante deu um tiro em sua direção, e a bala pegou de raspão sua orelha. Naquela época, Bial disse que tinha sido salvo por um “milagre”, embora não gostasse de usar essa palavra. “Achei que tinha morrido. Deus é meu amigo, né? Ele estava entre a bala e eu", disse. De 2002 para cá, muita coisa deve ter ocorrido na cabeça de Bial, a ponto de ele se identificar agora como ateu.

Fonte: Paulopes

Conheça o livro que tem abalado o mundo religioso! Clique Aqui!

Participe de nossa enquete. Sua opinião é muito importante para nós! Clique Aqui e de seu voto.  

Leia mais ...

Inscrição de 11 mil anos relata impacto de meteoro na Terra

Uma rocha de quase 11 mil anos traz o relato do impacto de um asteróide na Terra durante o ano de 10.950 a.C., feito por nossos ancestrais da época. As inscrições estão em um dos pilares de um dos templos mais antigos do mundo: conhecido como Göbekli Tepe, na Turquia. O meteoro poderia ter sido a causa de uma pequena Era do Gelo, conhecida como Dryas Recente, que durou mil anos e que foi crucial para o desenvolvimento humano na Terra. Os desenhos, presentes em um pilar conhecido como Vulture Stone, foram decifrados por arqueólogos das Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, e mostravam diversas representações de animais. Demorou um pouco para os pesquisadores notarem que as imagens se tratavam, na realidade, de constelações. Uma delas seria justamente a indicação de um "enxame" de asteróides que atingiu o planeta quase dois mil anos antes de serem feitos os entalhes. Cruzando essas informações com dados fornecidos por simulações do Sistema Solar na época foi possível confirmar a existência dos meteoros relatados.

Segundo especialistas, a hipótese de que uma chuva de rochas espaciais foi a grande responsável por inciar o Dryas Recente ganhou mais um reforço com a descoberta. O fenômeno causou a extinção do mamute lanoso, mas também ofereceu uma grande oportunidade para a evolução do homem no planeta.

Foi por causa da severa falta de alimento que nossos ancestrais começaram a praticar a agricultura e a estabelecer comunidades. Uma análise de núcleos de geleiras encontradas na Groelândia mostra que o Dryas Recente iniciou-se no ano de 10890 a.C., data próxima ao do choque do meteoro relatado.

Além do metero, a descoberta também pode revelar mais sobre a utilização da caverna. Segundo eles, o local pode ter sido usado para a observação astronômica. Se a hipótese for confirmada, a instalação revela como a astronomia é uma atividade muito mais antiga do que pensamos.

Fonte: Galileu, ScienceAlert

Conheça o livro que tem abalado o mundo religioso! Clique Aqui!

Participe de nossa enquete. Sua opinião é muito importante para nós! Clique Aqui e de seu voto.

Leia mais ...

Ensino religioso fica fora da nova versão da base nacional curricular

O governo federal tirou o ensino religioso da versão final do texto da BNCC (Base Nacional Comum Curricular), que foi divulgado hoje (6 de abril de 2017), Apesar disso, a disciplina continua facultativa nas escolas de ensino infantil e fundamental. O MEC informou que excluiu o ensino religioso porque a adoção ou não dessa disciplina cabe aos governos estaduais e municipais. Acrescentou que cada um desses governos vai ter de regulamentar essa modalidade de ensinamento. Se nesse ponto a BNCC poderá desagradar às igrejas, principalmente a católica, porque não dá importância à disciplina, em outro faz um afago aos religiosos: se omite em relação ao conceito de gênero. Ou seja, fica em cima do muro em relação a questões como a união homoafetiva. Questionado por jornalistas, o MEC apenas afirmou que defende o “respeito à pluralidade”.
 

Conheça o livro que tem abalado o mundo religioso! Clique Aqui!

Participe de nossa enquete. Sua opinião é muito importante para nós! Clique Aqui e de seu voto.

Leia mais ...

Cresce em Brasília o número de pessoas que se declaram sem religião

O empresário Gabriel Parente, 23 anos, se decepcionou com a religião ao presenciar a dor e o constrangimento de pessoas próximas pela obediência a um dogma. Isso o fez questionar a validade de um credo organizado e ele desenvolveu uma espiritualidade própria e uma ideia pessoal de Deus. A servidora pública Maria Clara Teixeira de Assis, 28, teve uma educação religiosa, mas se afastou após reações negativas, quando se descobriu homossexual. No curso superior de filosofia, percebeu que a verdade professada por alguns líderes não era universal. Ela se desvencilhou da necessidade de acreditar e passou a se reconhecer como ateia. O universitário Dângelo Saraiva de Souza, 22, já quis ser padre. No ensino médio, nas aulas de filosofia, questionou a existência de uma divindade. Agnóstico, ele diz que não existem provas a favor ou contrárias à existência de um deus, mas não sente necessidade de crer.

Embora não se conheçam, eles têm algo em comum. Fazem parte da parcela da população do Distrito Federal que se considera sem religião, grupo que cresce a cada ano. Em 2011, quando pesquisadores da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) incluíram a tabela "População por religião declarada, segundo as regiões administrativas" na Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílio (PDAD), eles representavam 4,8% da população. Um total de 122.792 pessoas. Na pesquisa seguinte, divulgada em 2014, eram 6,71% dos residentes no DF, ou 186.897 brasilienses. No último levantamento, feito entre 2015 e 2016, já eram 229.193, 7,89% dos habitantes da capital. Os dados do último censo do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística diferem minimamente. O órgão aponta 236.528 de candangos sem religião: 212.484 que não têm fidelidade a uma organização, 19.885 de ateus e 4.159 de agnósticos.

 

Gerente de pesquisas socioeconômicas da Codeplan, Iraci Peixoto explica que a pesquisa dura dois anos. O órgão começou a fazer o levantamento do PDAD em 2004. Na primeira edição, não havia menção à religião dos brasilienses. “À medida que a pesquisa evoluiu, agregamos novos dados. A religião, no entanto, é um tema difícil de ser abordado e tratamos essa informação com muito cuidado”, explica a técnica. Segundo ela, a Codeplan não tem uma resposta para o aumento dos sem religião na capital. Não há outros estudos focados no grupo. A estudiosa destaca, no entanto, que os sem religião são mais numerosos em regiões administrativas com maior poder aquisitivo. “No Plano Piloto, são 14,44% da população; no Lago Norte, 14,68% e Sudoeste e Octogonal, 13,78%. Mas isso também se repete no Varjão, com 10,27% dos moradores. Os evangélicos tradicionais e os católicos caíram. Mas o número é pequeno. Podemos interpretar como erro amostral”, diz.

 

Responsáveis por si

 

Gabriel Parente considera positivo o aumento dos sem religião no DF. Para ele, o dado demonstra que as pessoas estão se questionando. “Ganhamos uma religião ao nascer. Se, em algum momento, negamos essa crença, é sinal de que tivemos que refletir”, analisa. Ele critica o apego a um dogma. “Sei que há muita coisa positiva nas religiões. Mas pessoas muito devotas pegam um ‘pacote completo’, com o bom e o ruim. Perdem a capacidade de ver que algumas coisas não devem ser seguidas. Não recorro a instituições. Sou responsável pelas minhas atitudes. O universo é um grande fluxo de energia. Você recebe o que você joga para o mundo”, explica.

 

Na visão de Maria Clara, o ateísmo pode ser uma maneira humilde de olhar para o universo e uma forma de promover a tolerância. “Me formei em filosofia e vi que não havia uma verdade universal, mas várias perspectivas. Precisamos pensar por nós mesmos. Faz mais sentido admitir que há coisas que não conheço do que inventar explicações sem comprovação.” Filha de pastora evangélica, ela conta que as duas se entendem e se respeitam. “Todo mundo tem que se respeitar. Não tenho pretensão de ‘converter’ as pessoas e minha vida com minha mãe é sensacional. Nos aceitamos e também conversamos muito. As coisas mudam quando paramos de tentar impor um ponto de vista para conhecer o do próximo”, reflete.

 

Dângelo evita falar sobre sua forma de ver o mundo com os mais velhos, e encara com tranquilidade os pedidos de parentes para voltar para a igreja, mas admite que se surpreende com as investidas de alguns religiosos que insistem em tentar convertê-lo. “Nas aulas de filosofia do ensino médio, eu e alguns amigos começamos a questionar. Foi uma coisa natural. Já disseram que eu ia para o inferno e já me perguntaram se não sou feliz. Eu sou feliz. Não tenho como provar que Deus existe ou que não existe. Mas, para mim, ele é irrelevante. Entendo que algumas pessoas têm necessidade de uma religião e isso não é ruim. O problema são os grupos religiosos quererem impor seus valores para todos”, observa.

 

 Parte de um pacote

 

Para o ex-padre da Igreja Católica, escritor e ecossociólogo Eugênio Giovenardi, pessoas sem religião tendem a ser mais livres. “É um valor positivo as pessoas se desprenderem dos elementos que vêm no pacote que ganhamos ao nascer. Quando nascemos, no seio da família, recebemos um pacote com, dentre outras coisas, a religião estabelecida. E isso tolhe a liberdade da pessoa”, afirma. “O pensar, a independência do homem, está acima da cultura tradicional e histórica. Se essa parcela da população está aumentando, isso significa que as pessoas estão tomando consciência e têm liberdade de pensar. Isso é bom para todos os elementos da convivência humana”, completa (leia Palavra de especialista).

 

Professor de filosofia da religião da Universidade de Brasília (UnB), Agnaldo Portugal critica a classificação da pesquisa, que ele considera “polêmica”. “Temos várias formas de interpretar esses sem religião e não temos informação o suficiente para isso. Você não consegue distinguir quem é ateu, agnóstico ou não vinculado a uma igreja ou religião tradicional. Podemos falar de pessoas que não têm fidelidade a uma organização ou de pessoas que não têm uma prática religiosa. Pelo que conhecemos de outros lugares, de grandes centros urbanos, sociedade industrializada e população com acesso à informação científica e tecnologia, normalmente esses grupos tendem a se declarar sem religião no segundo sentido.

 

Presidente da Associação de Ateus e Agnósticos (Atea), Daniel Soto Maior também gostaria que os dados referentes à população sem religião fossem mais claros. “É difícil saber se essa mudança de números reflete um avanço da posição das pessoas ou a disposição em se declarar dessa maneira”, afirma. Ele destaca que esse grupo tem crescido em todo o mundo. “Os dados se repetem em várias pesquisas. As pessoas têm sentido menos medo de se declararem sem religião, embora os ateus ainda sofram com um alto grau de rejeição da sociedade. O acesso à informação contribui com esse aumento”, opina.

 

 Religiões na capital federal

 

A capital tem 2.906.574 habitantes. Desses, 1.700.738 são católicos, a maioria em locais de maior concentração de renda. Equivalem a 58,51% da população. Somados, os evangélicos tradicionais e os pentecostais representam 28,91% dos brasilienses, um total de 840.271 indivíduos. Os grupos de protestantes predominam em regiões mais pobres. Na Estrutural, as congregações atendem cerca de 47% da população, são 18.155 habitantes de 38.429.
 

Conheça o livro que tem abalado o mundo religioso! Clique Aqui!

Participe de nossa enquete. Sua opinião é muito importante para nós! Clique Aqui e de seu voto.

Leia mais ...
Assinar este feed RSS