Menu

Separação entre Igreja e Estado entra em vigor hoje na Noruega

Separação entre Igreja e Estado entra em vigor hoje na Noruega

A Igreja Luterana da Noruega deixará de depender de forma direta do Estado a partir deste domingo (1º), culminando um processo iniciado na década passada e que transformará o país nórdico oficialmente em um Estado laico. Os mais de 1.700 pastores e outros postos eclesiásticos deixarão de ser funcionários públicos nomeados pelo Estado, que deixará de dirigir a Igreja em última instância -- tarefa que será assumida por um conselho eclesiástico eleito por seus próprios membros. O rei Haroldo V não será a autoridade máxima da Igreja e desaparecerá a obrigação formal de que metade do governo professe a religião protestante. A medida foi aprovada por unanimidade pelo Parlamento norueguês em maio, oito anos após a maioria da Câmara alcançar um acordo que se consolidou com a introdução de modificações na Constituição em 2012. As autoridades norueguesas, no entanto, vão repassar cerca de R$ 715 milhões à Igreja Luterana neste ano, 3,3% a mais que em 2016, por considerar que ela precisa de mais dinheiro para iniciar sua nova etapa como uma instituição independente. A Igreja Luterana da Noruega considera a mudança a maior em seus 500 anos de história, o que vai colocá-la no mesmo patamar da Suécia (que aprovou a separação entre igreja e Estado no início deste século). Algo que ainda não ocorreu na Dinamarca, outro país nórdico de maioria protestante.

Críticas à mudança

Embora as duas instituições agora estejam formalmente separadas e a protestante já não seja a religião oficial do país, a Igreja Luterana ainda será considerada "a Igreja Nacional norueguesa e será apoiada como tal pelo Estado", segundo a Constituição do país após as últimas modificações. Essa formulação foi criticada por vários satores da sociedade. "Não se trata de uma separação real. O Parlamento deu um passo adiante desta vez, mas não longo o suficiente", criticou nesta semana em Oslo Kristin Mile, secretária-geral da Associação Humanista da Noruega. A instituição sustenta que, enquanto se mantiver a formulação, a Igreja Luterana continuará sendo estatal na prática. Mas só três forças políticas menores -- liberais, socialistas e verdes -- respaldaram uma lei mais ambiciosa, que não foi aprovada.

Menos seguidores

A Igreja Luterana tem sofrido quedas contínuas no número de membros, um fenômeno similar ao experimentado nos demais países escandinavos nos últimos anos. Ela perdeu o número recorde de 15.486 membros em 2015 e agora atinge 3,76 milhões de pessoas (72% da população norueguesa). Os pertencentes a outras religiões -- islamismo e catolicismo, majoritariamente -- somaram 622 mil membros, 11% a mais que no ano anterior.

Fonte: Portal G1

Conheça o livro que tem abalado o mundo religioso! Clique Aqui!

Participe de nossa enquete. Sua opinião é muito importante para nós! Clique Aqui e de seu voto.

Mídia

voltar ao topo