Menu

Justiça nos EUA diz que Igreja tinha 'manual' para esconder abusos sexuais

Evite o escândalo. Use eufemismos. Faça perguntas inadequadas. Tranque as denúncias em um "arquivo secreto". E, acima de tudo, não conte à polícia. Essas são algumas das táticas que os líderes da Igreja Católica na Pensilvânia, EUA, usaram para esconder o abuso sexual de crianças por padres ao longo de 70 anos, de acordo com um relatório do grande júri do caso divulgado na última terça-feira, dia 14. Na Judiciário americano, o grande júri é um organismo que decide se uma investigação criminal deve ser transformada em processo judicial, com a acusação formal dos acusados. — É como um manual para esconder a verdade — disse o grande júri, cuja investigação identificou mais de mil vítimas de abuso sexual em seis dioceses católicas na Pensilvânia. Agentes especiais do Centro Nacional de Análise de Crimes Violentos do FBI (a polícia federal americana) revisaram as evidências coletadas pelo júri, informa o relatório, e identificaram uma série de práticas que foram regularmente usadas pelas seis dioceses para encobrir denúncias de abuso. — Apesar de cada distrito da Igreja ter suas idiossincrasias, o padrão era praticamente o mesmo — diz o relatório. — O principal não era ajudar as crianças, mas evitar o "escândalo". Essa não é a nossa palavra, mas a deles. Aparece repetidamente nos documentos que recuperamos.

Aqui está como o grande júri descreveu os métodos da Igreja Católica para encobrir o abuso e proteger os padres: Primeiro, certifique-se de usar eufemismos em vez de palavras reais para descrever as agressões sexuais nos documentos da diocese. Nunca diga "estupro"; diga "contato inadequado" ou "problemas de limite". Segundo, não conduza investigações genuínas com pessoal devidamente treinado. Em vez disso, designe membros do clero para fazer perguntas inadequadas e depois faça julgamentos sobre a credibilidade dos colegas com quem vivem e trabalham. Terceiro, para uma aparência de integridade, envie padres para “avaliação” nos centros de tratamento psiquiátrico administrados pela Igreja. Permita que esses especialistas “diagnostiquem” se o padre era um pedófilo, baseado em grande parte nos “autorrelatos” do padre, e independentemente de o padre ter realmente se engajado em contato sexual com uma criança. Em quarto lugar, quando um padre precisa ser removido, não diga o motivo. Diga aos seus paroquianos que ele está de “licença médica” ou que sofre de “esgotamento nervoso”. Ou não diga nada. Quinto, mesmo que um padre esteja estuprando crianças, continue fornecendo-lhe moradia e pagando suas demais despesas, embora ele possa estar usando esses recursos para cometer mais agressões sexuais. Em sexto lugar, se a conduta de um predador se tornar conhecida da comunidade, não o remova do sacerdócio para garantir que não haja mais crianças vitimadas. Em vez disso, transfira-o para um novo local onde ninguém saiba que ele é um abusador de crianças. Finalmente e acima de tudo, não diga à polícia. O abuso sexual de crianças é e tem sido, em todos os momentos relevantes, um crime. Mas não trate dessa maneira; lide com isso como uma questão pessoal, que deve ser resolvida "dentro de casa".

Fonte: O Globo

Conheça o livro que tem abalado o mundo religioso! Clique Aqui!

Participe de nossa enquete. Sua opinião é muito importante para nós! Clique Aqui e de seu voto.

Leia mais ...

Padre é flagrado abusando de menina de 10 anos na Itália e tenta se justificar dizendo "Pensei que ela tivesse 15"

Um padre de 70 anos, Paolo Glaentzer, foi flagrado abusando de uma menina de apenas 10 dentro de um carro em Prato, nos arredores de Florença, centro-norte da Itália. O episódio ocorreu na última segunda-feira, no estacionamento de um supermercado. Um transeunte percebeu algo estranho no veículo e foi até lá. Ao ver o que estava ocorrendo, abriu a porta do carro e puxou a criança para fora. A confusão acabou atraindo a atenção de moradores, e o padre esteve à beira de ser linchado, mas a polícia interveio e o prendeu em flagrante, sob a acusação de violência sexual agravada. Glaentzer, colocado em regime de prisão domiciliar, é padre em uma igreja da diocese de Florença, na divisa com a província de Prato. Interrogado pela polícia, ele disse que "ignorava" a idade da vítima. "Pensava que ela tinha alguns anos a mais, tipo 14, 15 anos", declarou. No entanto, o próprio sacerdote entrou em contradição ao afirmar que conhece a família da menina, que é acompanhada por serviços sociais, há "cerca de 10 anos" e que inclusive jantava na casa dela "uma vez por mês". Ele também confessou que abusara da criança "ao menos três vezes". "Desde o momento da prisão até hoje, pensei no que ocorreu e percebi que errei", afirmou. Ele pediu desculpas à família da menina, mas colocou a culpa do abuso no Diabo.

Fonte: Portal Terra

Conheça o livro que tem abalado o mundo religioso! Clique Aqui!

Participe de nossa enquete. Sua opinião é muito importante para nós! Clique Aqui e de seu voto.

Leia mais ...

Facebook rejeita pressão ao se recusar a criar um emoji cristão

O Facebook informou que não criará um emoji cristão, uma cruz, resistindo, assim, às pressões de religiosos que têm feito um campanha para que possam usar o seu símbolo nas interações da rede social. A campanha foi uma reação a criação em junho de 2017 de uma bandeira com as cores do arco-íris, para o uso da comunidade gay e simpatizantes. Com dois milhões de seguidores, Josh Feuerstein é um dos líderes da campanha. Ele diz que os Facebook persegue os cristãos. A questão tem sido debatida com entusiasmo nos perfis americanos do Facebook. Há argumento como o de que, se o Face criar o emoji cristão, terá de fazer o mesmo com centenas de outras religiões, o que alimentaria os discursos de ódio.

Fonte: Paulopes

Conheça o livro que tem abalado o mundo religioso! Clique Aqui!

Participe de nossa enquete. Sua opinião é muito importante para nós! Clique Aqui e de seu voto.

Leia mais ...

Freira que foi ao hospital com dores de barriga saiu de lá com um filho nos braços

  • Uma freira do convento de San Severino Marche, em Itália, foi na semana passada hospitalizada com fortes dores abdominais. Suspeitava de um grave problema de intestinos, mas uma ecografia revelou que estava grávida. Ela deu à luz no domingo, de parto natural. A freira não foi identificada, sabendo-se apenas ter 35 anos e ser oriunda do Burundi (chegou a ser noticiado em Itália que seria sul-americana, mas o diário Messagero corrigiu essa informação). Quando chegou ao hospital, acompanhada por algumas irmãs, disse aos médicos que nem sequer suspeitava que estaria grávida. A freira, que fez os votos de castidade já há vários anos, segundo aquele jornal italiano, ingressou naquele convento italiano em junho, pelo que já estaria grávida quando o fez. O bebé é um menino, saudável, que nasceu com 3 quilos e 600 gramas e está ainda no hospital apenas por precaução. A mãe entretanto regressou ao convento, mas já decidiu ficar com a criança. Este é o segundo caso do género em apenas 12 meses. Em janeiro do ano passado, outra freira, uma salvadorenha de 32 anos que também estava num convento italiano, deu à luz um menino, a quem deu o nome Francisco em homenagem ao Papa.


Fonte: DN GLOBO

Conheça o livro que tem abalado o mundo

religioso! Clique Aqui!

Participe de nossa enquete. Sua opinião é muito importante para nós! Clique Aqui e de seu voto.  

Leia mais ...
Assinar este feed RSS