Quinta, 24 Agosto 2023 12:46

A Nudez de Noé

Publicado por
Avaliar
(1 Voto)
Segundo o relato bíblico Noé viveu 350 anos depois do Dilúvio. Depois do famigerado dilúvio aconteceu um incidente constrangedor com Noé: “Então, Noé principiou como lavrador e passou a plantar um vinhedo. E começou a beber do vinho e ficou embriagado, e deste modo se descobriu no meio da sua tenda.” (Gênesis 9:20, 21) Enquanto Noé dormia na sua tenda, Cã, e talvez também seu filho Canaã, ficaram envolvidos em alguma espécie de desrespeito para com Noé. O relato reza: “Cã, pai de Canaã, viu a nudez do seu pai e contou isso aos seus dois irmãos, que estavam do lado de fora.Sem e Jafé pegaram então uma capa, puseram-na sobre os ombros e entraram andando de costas. Assim cobriram a nudez do seu pai com os rostos virados, e não viram a nudez do seu pai. Quando Noé acordou do seu vinho e soube o que seu filho mais novo lhe havia feito,ele disse: Maldito seja Canaã. Torne-se ele o menor entre os escravos dos seus irmãos.E acrescentou: Louvado seja  o Deus de Sem, e torne-se Canaã escravo de Sem. Conceda Deus amplo território a Jafé, e resida ele nas tendas de Sem. Torne-se Canaã escravo dele também”. Em geral, entende-se ser Cã chamado aqui o “filho mais moço” de Noé. Todavia, na Bíblia, a expressão se refere às vezes ao neto, que neste caso era Canaã. Qualquer que tenha sido a situação, Cã, pai de Canaã, foi contar isso aos seus dois irmãos, em vez de ele mesmo cobrir Noé, assim como esses fizeram. Noé, quando soube deste episódio, amaldiçoou Canaã e bendisse o Deus de Sem. — Gên 9:22-27.

Essa expressão descobriu a nudez é usada na bíblia para se referir a um ato sexual. Em levítico 20:17-21 por exemplo é usado o termo descobrir a nudez como sendo a pratica sexual. Portanto, quando lemos que Cã ou Canaã “descobriu a nudez” de Noé pode indicar não o simples ato de “ver o pai sem roupa, ou zombar dele por estar neste estado”, mas alguma perversão sexual cometida contra Noé. A reação enfurecida de Noé ao saber do que aconteceu amaldiçoando seu filho Cã e sua descendência indica que algo grave, talvez algum ato sexual tenha sido cometido contra ele enquanto estava embriagado. Talvez daí se originasse a expressão popular “cú de tonto não tem dono”.

Sobre essa maldição muitos religiosos afirmam que a escravidão dos negros aconteceu por causa desta maldição. Muitos religiosos afirmam que a raça negra descendeu de Cã, portanto, visto que a bíblia diz que eles foram amaldiçoados por Noé sofreram com a escravidão. Por exemplo, em 2011 em defesa apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) após ser acusado de discriminação, o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) afirmou que a Bíblia e a história mostram que os africanos foram alvos de uma "maldição" de Noé por conta do "primeiro caso de homossexualismo da humanidade". Inclusive a maldição de Cã (que fez Canaã ficar negro por castigo, similar ao que acontecera com Caim) foi o que respaldou em 1455, com a promulgação da Bula Romanus Pontifex, a escravização e a exploração da África pelo Reino de Portugal. Essa mesma "maldição" não permite, em algumas congregações, que homens negros sejam ordenados clérigos.

Se tais fatos não passam de uma lenda ou se essa interpretação dos fatos está correta ou não, o fato é que existem algumas dezenas de teorias diferenciadas sobre o acontecimento narrado na Bíblia. De questionamentos homossexuais entre Noé e Cam, até a tese de que o caçula tenha sido amaldiçoado por estuprar a própria mãe. Muitos chegam a dizer que Cam tenha se casado com alguém da linhagem de Caim. Ou seja, no fim da história Canaã de branco fica preto, por castigo. Diante de tudo isso, o certo é que essa passagem trouxe uma conotação racial para o castigo oferecido por Deus aos descendentes de Canaã e a única maldição que verdadeiramente recaiu sobre a África, é a que resultou da ignorância e dos delírios de poder e dominação do mundo, pela religião.

Conheça o livro que tem abalado o mundo religioso! Clique Aqui!

Participe de nossa enquete. Sua opinião é muito importante para nós! Clique Aqui e de seu voto.




Acessado 2884 vezes